Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Ventania

In two days tomorrow will be yesterday.



Segunda-feira, 30.03.09

Adrift


Errático, à deriva, deambulei. O sal e o céu por companhia, sem tempo nem azul. Numa manhã de verão, encostei-me a uma sombra. Cansado de naufragar, atraquei-me a um cais sereno. Ali sarei os golpes duma erosão lenta que me havia roubado o brilho. Embalado por promessas, serenatas ao luar. Esqueci as ondas que me davam vida. Diziam então que era belo e reluzente. E fiquei. Atracado, sempre ao mesmo sereno cais. Adormeci. Não me lembro de quando caí no sono, não lembro o cerrar de pálpebras. Sonhava, talvez. Quando acordei, perdido, tempestade! As amarras tinham sido cortadas, talvez corroídas pelo tempo! Assustado, quis fugir, não tinha para onde me virar! Trovoada, golpes no convés, quase me afoguei! Parei... Reconheci o instinto que me mantinha vivo, enchi os pulmões daquele áspero ar. Flutuei. Fiz remendos, trabalhei-me, recuperei-me. Reencontrei-me. É grande, o meu mar. Nenhum cais chega para mim. Sem procurar, encontrei o meu lugar. Sorri. Errático, à deriva. Sem amarras. Pertenço aqui. Mesmo que este lugar seja vazio, sem ti. Se um dia chegares, estarei aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 11:11

Domingo, 29.03.09

Boulevard Of Broken Dreams - Green Day

 



 


I walk a lonely road


The only one that I have ever known

Don't know where it goes

But it's home to me and I walk alone



I walk this empty street

On the Boulevard of Broken Dreams

Where the city sleeps

and I'm the only one and I walk alone



I walk alone

I walk alone



I walk alone

I walk a...



My shadow's the only one that walks beside me

My shallow heart's the only thing that's beating

Sometimes I wish someone out there will find me

'Til then I walk alone



Ah-ah, Ah-ah, Ah-ah, Aaah-ah,

Ah-ah, Ah-ah, Ah-ah



I'm walking down the line

That divides me somewhere in my mind

On the border line

Of the edge and where I walk alone



Read between the lines

What's fucked up and everything's alright

Check my vital signs

To know I'm still alive and I walk alone



I walk alone

I walk alone



I walk alone

I walk a...



My shadow's the only one that walks beside me

My shallow heart's the only thing that's beating

Sometimes I wish someone out there will find me

'Til then I walk alone



Ah-ah, Ah-ah, Ah-ah, Aaah-ah

Ah-ah, Ah-ah



I walk alone

I walk a...



I walk this empty street

On the Boulevard of Broken Dreams

Where the city sleeps

And I'm the only one and I walk a...



My shadow's the only one that walks beside me

My shallow heart's the only thing that's beating

Sometimes I wish someone out there will find me

'Til then I walk alone...

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 11:10

Sábado, 28.03.09

Diálogo real com desconhecido

(…)


Desconhecido - E está tudo bem desse lado?


Princesa Canela - A compôr-se.


Desconhecido -  É-me permitido perguntar… A compôr-se de quê?!


Princesa Canela - Dos altos e baixos. Life's a rollercoaster.


Desconhecido - É-me permitido perguntar… Qual foi o último baixo?!


Princesa Canela - Sabes aquelas fases em que nada corre bem? Foi algo do género. Nem trabalho, nem Amor nem nada.


Desconhecido - Felizmente, uma fase má acaba por ter um fim. Não existem fases ad eternum. Nem sequer a da felicidade. Agora, podemos sempre procurar remar para onde queremos.  Tens remado?!


Princesa Canela - "P'ra caramba!" Contra a maré, que cansa mais. Mas hei-de chegar a bom porto.


Desconhecido - Então, sim, chegas. De certeza. É tudo uma questão de tempo. 


Princesa Canela - Também acho que sim.


Desconhecido - Pode parecer banal, mas é mesmo tempo.


Princesa Canela - O tal que tudo cura. Não sei se concordo com isso.


Desconhecido - Nem tudo é curável.


Princesa Canela - Mas tenho a certeza que utilizo o tempo para aprender.


Desconhecido - Mas tudo é amortecido. Pois bem, o que aprendeste com isto tudo?


Princesa Canela - Que sou forte. Que há coisas que não mudam só com a minha vontade. E que ser feliz depende só de mim, de mais ninguém.  Não é um mau começo, pois não?


Desconhecido –  Não. :) Sentes-te só?


Princesa Canela - É difícil dizer. Gosto de estar sozinha, mas não me sinto só. Tenho aquele punhado de amigos que se sabe serem para a vida toda. Mas sinto falta da minha metade.


Desconhecido - Não me referia propriamente a um tipo de solidão... de não ter amigos ou família. Mas de, independentemente disso tudo, sentes que andas a lutar sozinha. Por onde anda a tua "metade"?!


Princesa Canela - Não, não sinto que lute sozinha.  A minha metade anda a tentar encontrar a sua metade... Tolo.


Desconhecido - Isso é profundamente.... Doloroso e sanguinário. Hehe!


Princesa Canela - É. Aprendi a encarar as coisas como elas são. Não adianta tentar esquecer quem é inesquecível; não adianta negar ou abafar sentimentos, só temos que aprender a lidar com eles.


Desconhecido - Sim.   Não existem pessoas iguais. Mas existem outras formas de amar.  Existia um estudo científico que afirmava que até conhecermos a pessoa certa, temos de interagir no mínimo com entre 8 a 15 pessoas. :)


Princesa Canela - Ui, então falta-me imensas!!! lol Mas posso estar redondamente enganada. Já pensei ter encontrado a pessoa certa e agora rio-me... talvez a pessoa dificilmente conseguisse ser mais errada!  Lá está, life's a roller coaster... :)


Desconhecido – Muitas vezes confunde-se a química certa com a pessoa errada. Se fosse a pessoa certa, não teria ido embora. No fundo, é uma questão de lógica. Se é certo, é perfect match. Como tal, existe um total feedback de ambas as partes.


Princesa Canela - Era a minha teoria até que o perfect match se viu limitado num tempo e espaço definidos. Por isso me inibo de utilizar vocabulários que me intimidam, como amor ou paixão. Não sei como chamar a este sentimento… Noutro tempo, talvez volte a ser perfect match.


Desconhecido - Chama-se de saudades. :)


Princesa Canela - Às vezes só depois de palmilhar os caminhos errados se descobre o caminho certo. Saudades, sim, muitas. Daquelas que doem. E uma estúpida certeza de que aquela pessoa é tudo.


Desconhecido - Tudo és tu. Não uma segunda pessoa. Nunca podemos achar que para "respirar" precisamos de outra pessoa.


Princesa Canela - É um reflexo de mim. Queremos as mesmas coisas, pensamos do mesmo modo, vemos pelo mesmo prisma. Eu sei que não, essa foi a minha aprendizagem.


Desconhecido - Diz-me uma coisa, noutros relacionamentos que tu tiveste, não achavas que era incomparável, que essa relação, aquilo que sentias era sempre diferente do passado?!  Conforme foste evoluindo, não foste amando de forma diferente?! Cada vez superior?! As relações não foram ficando cada vez mais fortes?!


Princesa Canela - Não... houve poucas relações, mas devo dizer que algumas fracassaram precisamente porque achei que o sentimento não era suficiente.


Desconhecido - Esta foi a única em que achaste que era o suficiente aquilo que sentias?!


Princesa Canela - Sabendo que se pode amar a 1000, ninguém quer amar a 10. Não. Eu explico com factos concretos. Tive uma relação de cerca de vários anos com aquele que pensava que seria o homem da minha vida. Amei-o profundamente. Ou pelo menos gostei dele ao ponto de me convencer que era amor, gostava da ideia de viver um amor correspondido e feliz. E ele amou-me a mim. Um dia mudou de ideias. E eu sofri, chorei, esperneei e pensei que o mundo ia acabar. Não acabou. De repente encontrei uma pessoa que me fez sentir tudo diferente... Mais intenso, mais puro, mais profundo, mais natural, mais incontornável, mais verdadeiro. De surpresa... Eu mudei, libertei-me, vivi experiências que não podia viver com mais ninguém. Não houve uma relação romântica nos moldes 'normais'. Há uma cumplicidade e uma partilha extraordinárias. Há confiança. Há um entendimento kármico do que o outro pensa e sente. Há magia, complementaridade, há coincidências, há verdade em todas as palavras. Há respeito, há carinho, há ternura e poesia e química e música. Há ainda outra pessoa que gosta de mim e de quem gosto bastante, mas... não o suficiente. E eu não tenho o direito de fingir que amo alguém só para tentar a felicidade possível com quem seria sempre um second best. Talvez até pudesse amar... Mas seria da mesma forma que amei o ex-namorado. Amar mais a situação do que a pessoa. Talvez pudesse ser muito bonito, talvez pudesse ser uma estória terna e doce. Mas o meu coração encontrou outro lugar e é lá que pertence.


Desconhecido - Esclarecido.:) Mas o mais importante, é que tu estás esclarecida. Mas, o teu coração não pode pertencer a um lugar vazio.


(…)


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 09:37

Sexta-feira, 27.03.09

tentar a sorte

Já pensaram que o arrojo, o ser-se destemido, pode ser uma consequência directa da auto-confiança? Arriscar na medida em que se sabe o que se vale, ou a timidez e inércia como causa do receio de arriscar?





Quem, sabendo a chave do euromilhões, se absteria de jogar?





Eu não sei a chave, mas sei que hoje é dia de correr riscos, de perguntar "porque não?". É que hoje estou viva, amanhã não sei se estarei. E não posso adiar a felicidade, ou pelo menos a procura dela.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 20:06

Quinta-feira, 26.03.09

e para ti, o que é a cenoura?

 





Esta é, com amor e carinho, para os companheiros de luta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 20:01

Terça-feira, 24.03.09

?

Como é que se mantém toda uma estrutura de pé quando apenas um dos alicerces não está danificado?

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 20:30

Sábado, 21.03.09

question mark


my (w)hole life.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 03:03

Sexta-feira, 20.03.09

Spring time =)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 17:26

Quinta-feira, 19.03.09

Silêncio

De ti. De mim e do mundo. Sem ver e sem ouvir, não estou. Ao longe. Pode ser só miragem. Melhor que seja emptiness. Ausência. Vazio. Inundação de coisa nenhuma. Onde?




Vácuo.


Fui.


Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 22:24

Domingo, 15.03.09

let me hug you

 


 


I still miss you...


I still miss your smile...


I still miss your light...


I still want (you to want me) to hug you...


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 23:59

Sábado, 14.03.09

...

Ainda sobre o amor eterno... com humor.


 



 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 19:37

Sexta-feira, 13.03.09

O Sorriso - Eugénio de Andrade

 


 


Creio que foi o sorriso, 


o sorriso foi quem abriu a porta. 

Era um sorriso com muita luz 

lá dentro, apetecia 

entrar nele, tirar a roupa, ficar 

nu dentro daquele sorriso. 

Correr, navegar, morrer naquele sorriso.
                 


 


 


I miss your smile...

I miss your light...


             I miss you...


 


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 07:07

Quinta-feira, 12.03.09

short winter break

Finalmente, chegou a hora de fazer mais uma pausa no quotidiano (curtinha, é o que se arranja). E vai saber que nem ginjas, que é como quem diz, vai saber a poncha.


 


Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 04:15

Segunda-feira, 09.03.09

Águas de Março - Tom Jobim e Elis Regina

 



 


É pau, é pedra, é o fim do caminho

É um resto de toco, é um pouco sozinho

É um caco de vidro, é a vida, é o sol

É a noite, é a morte, é um laço, é o anzol

É peroba no campo, é o nó da madeira

Caingá candeia, é o matita-pereira

É madeira de vento, tombo da ribanceira

É o mistério profundo, é o queira ou não queira

É o vento ventando, é o fim da ladeira

É a viga, é o vão, festa da cumeeira

É a chuva chovendo, é conversa ribeira

Das águas de março, é o fim da canseira

É o pé, é o chão, é a marcha estradeira

Passarinho na mão, pedra de atiradeira

É uma ave no céu, é uma ave no chão

É um regato, é uma fonte, é um pedaço de pão

É o fundo do poço, é o fim do caminho

No rosto um desgosto, é um pouco sozinho

É um estepe, é um prego, é uma conta, é um conto

É um pingo pingando, é uma conta, é um ponto

É um peixe, é um gesto, é uma prata brilhando

É a luz da manha, é o tijolo chegando

É a lenha, é o dia, é o fim da picada

É a garrafa de cana, o estilhaço na estrada

É o projeto da casa, é o corpo na cama

É o carro enguiçado, é a lama, é a lama

É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã

É um resto de mato na luz da manhã

São as águas de março fechando o verão

É a promessa de vida no teu coração

É uma cobra, é um pau, é João, é José

É um espinho na mão, é um corte no pé

São as águas de março fechando o verão

É a promessa de vida no teu coração

É pau, é pedra, é o fim do caminho

É um resto de toco, é um pouco sozinho

É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 23:33

Domingo, 08.03.09

Divagações

E porque não aplicar na vida pessoal as receitas de sucesso na vida profissional e vice-versa? Podemos ponderar, fazer contas, pesar prós e contras… No fim nunca se tem muito a perder, pois não? Tenho perfeita consciência de que as minhas prioridades não são paralelas às da maior parte das miúdas da minha idade, ou contexto (já que a idade vai padecendo de desfasamentos counterclockwise). Ambicionar aventura em vez de solidez, paz em vez de dinheiro, extremos em vez de pacatez, é assim tão outlier? O mundo é imenso, a Vida é imensa, as nossas pernas tão curtas… Se não as mexermos, vai cair-nos no colo a realização de algum sonho? Aí sim está um risco que não pretendo correr, que até prova em contrário só tenho esta vida para aproveitar ao máximo. E carpe diem, todos os dias. Dificuldades, venham elas!, sem obstáculos o caminho tornar-se-ia monótono.


Louca? Pode ser, mas se é nesta loucura que me encontro a mim e ao meu caminho, não lhe vou fugir. Vou abraçar a insanidade, respirá-la e fazer-me à estrada. Em que direcção, não sei. Tenho na bagagem tudo o que preciso, mesmo sem aquela parte de mim que perdi por cima das nuvens. Talvez a volte a encontrar um dia, along the journey.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 19:19

Domingo, 08.03.09

Cacilheiro

 


Já não andava de cacilheiro há, talvez, mais duma década. O tempo parou, devo dizer, no que diz respeito ao trajecto e ao navio. Tétrico, sombrio. Gostei.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 02:13

Sexta-feira, 06.03.09

Reencontros

Hoje vai ser um dia de reencontros. Curioso como o acaso os reuniu no mesmo canto do continuum espacio-temporal.


Hoje é dia de retornar a um ponto de onde há muito parti, cheia de pontos de interrogação nos bolsos e vontade de entrar por novas portas. Entrei, era um labirinto, mas não desisti, como nunca desisto de nada do que quero. De volta a este ponto, vejo luz difusa, porém, Luz. Não é escuro o meu futuro, porque jamais o permitirei. Incerto, sim, que bom!


Hoje é também dia de voltar ao local onde o meu coração disparou com um sorriso, à velocidade da luz, e comecei a temer uma profecia antiga, aparentemente irracional. Já mencionei que o perdi, ao coração? A quem o possa encontrar por aí, deixai-o estar, que as mazelas fora do peito talvez doam menos, em falsete. Deixei de preferir a dor aos analgésicos (emocionais, entenda-se)… Sabemos todos que as pessoas não servem para penso-rápido e orgulho-me de ter conseguido resistir a essa apelativa tentação. Melhor assim, menos baixas a registar.


Pensando bem, adensa-se a coincidência… Não era por ali que se encontravam aqueles estranhos personagens, entre insinuações e reticências?


Uns passos à frente, reencontro ainda a esquina em que te senti pela última vez. Estava(s) frio. Hoje, um raio de sol mesmo que chova. Daqui, ainda… tudo.


And last, but surely not least, um reencontro há tanto tempo desejado… Com uma pessoa tão, mas tão importante por estes anos fora. Repito-me: a distância só ilude os olhos. Que bom ter-te de volta, ouvir-te e tornar a pegar em tantas cumplicidades como pegas nas minhas mãos, com ânsias de intimidades revisitadas. Como se nunca tivesses partido.


Hoje vai ser um dia de reencontros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 06:06

Quinta-feira, 05.03.09

Coisas que me irritam (GRRRRRR)


  • pessoas que não cumprem com a palavra, seja com compromissos ou promessas; que dizem que vão e não vão, que dizem que fazem e não fazem, que apregoam intenções mas são incapazes de cumpri-las. É uma enorme falta de personalidade.


  • tocarem à campaínha quando estou no banho; aliás, ser incomodada de qualquer maneira quando estou no banho...


  • pessoas encostadas aos postes do metro - aqueles que servem para nos agarrarmos em vez de ter de encontrar maneira de nos segurarmos sem tocar na pessoa que decidiu encostar a nuca, as costas e o rabo ao mesmo. Humpf!


  • fazerem-me perguntas e interromperem a resposta - uma falta de respeito.


  • gente que se faz de vítima, os mais infelizes e azarados do planeta, coitadinhos...


  • conversas de chacha, cheias de futilidades, de segundas-intenções... e vazias de conteúdo.


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por Ventania às 19:51

Quarta-feira, 04.03.09

...

Quando não couberes num poema


[estandarte]


Quando o frio te arrepiar a nuca


[sussurro]


Quando no topo da solidão olhares em volta


[segredo]


Quando sorveres do imediato o último suspiro


Estará lá o meu abraço aberto, porto de abrigo


Estará o meu Amor a envolver-te


E um beijo a embalar-te


 




Quando te encontrares e no reflexo me vires




Quando ousares galopar sem medo o sonho


Mergulha no meu mar


Amor


Entrega-te sem pesos


Deixa a bagagem, a roupa e as fugas na margem


 




Eu sou tua




Amor


Rendida


Encontra alento num canto de dor


Deixa-te voar comigo

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 18:58

Terça-feira, 03.03.09

Hoje é dia de...

Ventania!


Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por Ventania às 18:51

Pág. 1/2



Pesquisar

Pesquisar no Blog  


calendário

Março 2009

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031