Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ventania

In two days tomorrow will be yesterday.



Domingo, 16.01.11

Disse ele - by advogada do diabo

Enquanto via a reportagem da RTP que acabou de passar, no programa "30 minutos", lembrei-me deste texto da Advogada do Diabo.

Não é por acaso que tantas vezes a trago aqui. Ela consegue verbalizar aquilo que eu nunca conseguiria. Enquanto via a reportagem e duas lágrimas teimosas caíam, só pensava para comigo "Caramba! Isto não é só dedicação e carinho. É amor." Porque o amor é isto. O companheirismo, o estar sempre disponível para amparar e dar uma festa no cabelo, o nunca lamentar porque apesar de tudo se acha uma enorme sorte ter alguém que se ama e nos ama incondicionalmente pela vida fora. Grandes lições de vida nos dãos os nossos velhos.  Abençoados sejam.

 

Disse ele

 

"Vai chegar o dia em que vais ter dificuldades em ouvir-me chamar o teu nome. Vou ter de repeti-lo duas, três, quatro vezes, mas não me vou cansar. Vou ter de te pegar na mão ainda com mais segurança; sentar-te na cadeira quando as tuas pernas não permitirem que o faças sozinha. E dar-te de comer. Vais olhar para mim e, no imediato, paralisas os teus olhos nos meus. Como se procurasses um sinal que não te fosse desconhecido. Os teus óculos, já gastos pelos anos, mantêm a minha imagem gravada. Não te peço que te lembres sempre do meu nome, do dia em que demos o nosso primeiro beijo, ou do dia em que, do passeio da tua rua, exclamei o pedido de namoro mais sonoro que alguma vez foi feito, e tu quase te atiraste da janela, para os meus braços. Não te peço que mantenhas a casa a brilhar ou que trates do quintal das traseiras da casa. Deixa-me ao menos cuidar de ti. Como tu foste capaz de cuidar de mim. Deixa-me mostrar-te que os anos que passaram por nós, podem ter levado as recordações, as memórias, as juras... mas nunca foram capazes de levar o amor que sinto por ti. Deixa-me amar-te neste fim de vida. E mesmo que o meu corpo não tenha a robustez de outrora, senta-te no meu colo. Só para sentir o teu perfume colado a mim. Deixa-me morrer a cuidar de ti", disse ele.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por Ventania às 20:02


12 comentários

De advogada do diabo a 16.01.2011 às 20:47

Tenho pena de não ter visto essa reportagem. Para mim o amor entre duas pessoas de idade é o mais puro e verdadeiro que se pode encontrar.
Beijinho

De advogada do diabo a 17.01.2011 às 12:43

Obrigada! Vou ver. ;)

De Secret Sun a 16.01.2011 às 21:32


Isto é a mais pura e bela forma de amor. E é também assim que o entendo... Até ao fim. Abençoado seja! Beijinho. Boa semana.

De Ventania a 16.01.2011 às 22:08

Amílcar e Isidora, jamais me esquecerei. :')
Beijinho e boa semana para ti também.

De sony a 16.01.2011 às 22:06

que lindo.... quem me dera chegar a velhinha com um grande amor ao meu lado. :)

De Ventania a 16.01.2011 às 22:09

Acho que no fundo é isto que todos queremos. Um amor para a vida, sem limites. :)

De Isa_ a 17.01.2011 às 02:38

blah blah... submissao feminina!... uma mulher q n é independente precisa sempre de alguém (o diabo, kiçá) q "cuide" dela!...


 

De Ventania a 17.01.2011 às 21:11

Se porventura conheces alguém com Alzheimer tão avançado como o da D. Isidora e que seja independente - porra! que consiga ir à casa-de-banho sem ajuda, já nem digo mais! -  desde já te congratulo pelo Nobel da Fisiologia que hás-de receber!
Alzheimer é doença, não é submissão. E para já, tão incurável como a idiotice.

De Alexandra a 14.02.2011 às 23:12


Entrei hoje aqui pela .primeira vez...e logo encontro esta entrada que adorei...nos dias de hoje encontrar um amor assim é raro, mas bom ver e acreditar ainda na sua existência.Espero que não leve a mal eu partilhar no meu FB o link para esta sua entrada.

Comentar post



Pesquisar

Pesquisar no Blog  


calendário

Janeiro 2011

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031