Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ventania

In two days tomorrow will be yesterday.



Sexta-feira, 27.05.11

Em mudanças

Nunca tive medo da mudança, esse flagelo que parece ser uma epidemia maléfica. Eu gosto de mudanças. Gosto de mudar de ares, de desafios novos, de surpresas. Ficar sem chão de repente pode ser assustador, mas também é entusiasmante, é a melhor oportunidade para aprender a voar.

Estou para as mudanças como estão para as pessoas com medo de alturas, aquelas vertigens que dão vontade de pular. Quando a maior parte da malta se encolhe ao saber que amanhã tudo vai mudar, eu dou o passo em frente. E acreditem, esta postura faz toda a diferença, em tudo na vida. No meio laboral, porque a instabilidade reina quando se iniciam novas fases, e são os que têm estrutura para seguir em frente com os olhos nos objectivos que têm de orientar a navegação. Na vida pessoal, porque viver exige coragem, e muita. Tudo pode ser um desafio imenso. Ter a coragem de sair duma relação em que não se está pleno, enfrentar uma perda, encarar uma doença. Em vez de gastar energias a lamentar o grande azar, a grande injustiça, os porquês e o como seria se fosse diferente, há que agarrar nessa energia e investi-la em melhorar o que está ao alcance. Arregaçar as mangas e arrepiar caminho, enfrentar os dilemas, tomar decisões e mantê-las.

Parece que estou aqui a falar de galo, que sou a maior do pedaço... Mas nisto, epá, sou! Tenho andado a ver-me ao espelho. Tenho aprendido (a custo, confesso) a gostar de quem sou. Sou uma mulher de armas e muito forte, sou. "Não sou exemplo para ninguém", mas sou o meu melhor exemplo. Quando não estava feliz no trabalho arrisquei tudo e mudei de vida, sem saber ao que ia. Quando perdi pessoas importantes, agarrei-me mais aos que ganhei. Quando me disseram que para ter uma vida mais saudável tinham de martelar-me toda e isso implicava o risco de perder a locomoção, não pensei duas vezes. Quando me vi rodeada de números (que adoro) fui equilibrar-me nas letras (que também adoro). Quando me magoaram, perdoei. Quando errei, enfrentei os castigos. Quando me aborreço de ter o cabelo comprido corto curtinho. Quando me habituo a um caminho, sigo pelo outro. Quando aprendo tudo o que há para saber disto, dedico-me só ao aquilo.

Gosto do risco, gosto de superar os meus limites e de ter a fasquia cada vez mais alta. Gosto de sair da zona de conforto e fazer coisas que nunca me tinha imaginado a fazer. 

Não nos podemos perder do que é importante. Da missão, do objectivo. Não é interessante olhar para trás quando todo um mundo se revela lá à frente. Ir na corrente é para qualquer um. Descobrir a nascente é para os bravos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ventania às 00:44


4 comentários

De Rafaela a 27.05.2011 às 17:17


...eu não sou nada lamechas mas estou aqui a combater com o meu saco lacrimal, sabes? É um post extremamente pessoal mas revejo nele uma pessoa que já fui. E não sei onde ela foi parar. Começo a pensar que as aventuras em que me meti no passado eram fruto de uma idade jovem e de uma ingenuidade em termos de mundo e de maturidade, que me permitia arriscar sem olhar para trás. Essa sensação de invencibilidade, de conquista do mundo estou a perdê-la e estou um bocado aflita com essa areia que se me escapa por entre os dedos. Mas tu, uma mulher feita, estás aí de pedra e cal e este post só me dá esperança.

Marcamos encontro na próxima semana e divagamos sobre estas coisas sob o reflexo em tons de vermelho de um copo de vinho? :)

De Ventania a 01.06.2011 às 00:11

Estou viva, stop. Alinho, claro, stop. "Emílio-te" amanhã, stop. :) ***

De Mar ta Lopes a 28.05.2011 às 18:19

Grande mulher, parabéns!
Gosto de ti assim:)

De Ventania a 01.06.2011 às 23:43

Beijinho grande, querida Marta! *

Comentar post



Pesquisar

Pesquisar no Blog